A contabilidade ambiental como uma ferramenta eficaz à sustentabilidade

  • Victor Matheus Silva Carvalho Ciências Contábeis da UEA - Universidade do Estado do Amazonas
  • Valmir César Pozzetti Universidade do Estado do Amazonas
Palabras clave: Contabilidade Ambiental, Balanço Sócio ambiental, Benchmarking Ambiental.

Resumen

O objetivo desta pesquisa foi o de analisar de que forma as Ciências Contábeis pode contribuir para minimizar os contemporâneos problemas ambientais. A metodologia usada nesta pesquisa foi a do método dedutivo; quanto aos meios a pesquisa foi a bibliográfica e, quantos aos fins, qualitativa. A conclusão a que se chegou foi a de que a Contabilidade possui mecanismos eficientes - como Sistema de Gerenciamento Ambiental e o emprego das ISOs 9.000 e 14.001 – que trazem uma nova metodologia e forma de se obter o lucro, viabilizando a continuidade da empresa e a conservação dos recursos naturais.

Biografía del autor/a

Victor Matheus Silva Carvalho, Ciências Contábeis da UEA - Universidade do Estado do Amazonas

Jovem pesquisador do Programa PIBIC, discente do curso de Ciências Contábeis da UEA - Universidade do Estado do Amazonas.

Valmir César Pozzetti, Universidade do Estado do Amazonas

Doutor em Biodireito/Direito Ambiental pela Universitè de Limoges/França; professor Adjunto das UUEA – Univ. do Estado do Amazonas e Prof. Adjunto da UFAM – Univ. Federal do Amazonas.

 

Citas

BALM, Gerald J. Benchmarking: um guia para o profissional tornar-se - e continuar sendo - o melhor dos melhores. 2ª ed., Rio de Janeiro, RJ, Ed. Quality Mark, 1995.

BATISTA, João Carlos. Normas "ISO" Série "9000" - Saiba o que é...; http://www.treinarvirtual.com.br/artigos/normas-iso-serie-9000-saiba-o-que-e./ 2017. Consulta realizada em 10 mar. 2019.

BOXWELL, Robert J. Vantagem competitiva através do Benchmarking. 1ª ed., São Paulo: Makron Books, 1996.

BRASIL. Constituição da República Federativa do. Brasília: Congresso Nacional, 1.988.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 001, de 23 de janeiro de 1986. Considerando a necessidade de se estabelecerem as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da União. Brasília, 23 jan. 1986.

CAGNIN, C. H. Fatores relevantes na implementação de um sistema de gestão ambiental com base na Norma ISSO 140001. Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

CAIRNS, David. Relatórios sobre questões do meio ambiente. Boletim do IBRACON. São Paulo. Mar 1998. P.2.

FERREIRA, Aracéli Cristina de Sousa. Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atlas, 2003.

FERREIRA, Clementina. Da Contabilidade e do Meio Ambiente. Lisboa: Vislis Editora: 2000.

FERREIRA, A. C. S. Contabilidade de Custos para Gestão do Meio Ambiente. Revista Brasileira de Contabilidade. [s.l.] nº. 101. Set. 1996. P. 72-79. GEHM DA COSTA, Carlos Alexandre. Contabilidade ambiental. São Paulo: Atlas, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE CONTADORES. Normas e Procedimentos de Auditoria – NPA 11: Balanço e Ecologia. São Paulo, 1996.

KRAEMER, Maria Elisabeth Pereira. Contabilidade ambiental como sistema de informações. Revista Pensar Contábil. Rio de Janeiro, ano 3, nº 09, p. 19-26, 2000.

KROETZ, César Eduardo Stevens. Balanço social. Revista Brasileira de Contabilidade. [s.l.] set. 1998, nº. 113. P. 43-51.

LAVORATO, Marilena Lino de Almeida. As vantagens do Benchmarking ambiental. Revista Produção Online. Vol.4 nº2. Santa Catarina, Maio/2003.

MARION, José Carlos. Contabilidade básica. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, E; RIBEIRO, M. S. A informação como instrumento de contribuição da contabilidade para a compatibilização do desenvolvimento econômico é a preservação do meio ambiente. Boletim do IBRACON. São Paulo. set. 1995 nº. 208.

MONOBE, Massanori. Contribuição e mensuração e contabilização do goodwill não adquirido. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1986. p. 42-65.

PAIVA, P. R. Contabilidade ambiental: evidenciação dos gastos ambientais com transparência e focada na prevenção. São Paulo: Atlas, 2003.

PRESTES, Fernando Figueiredo; POZZETTI, Valmir César. A primeira norma técnica para cidades sustentáveis: uma reflexão sobre a problemática urbana. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/330978229_a_primeira_norma_tecnica_para_cidades_sustentaveis_uma_reflexao_sobre_a_problematica_urbana. Consulta realizada em 10 març. 2019

REBOLLO, M. G. A contabilidade como instrumento de controle e proteção do meio ambiente. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CONTABILIDADE, 16, 2000, Goiânia. Anais do XVI Congresso Brasileiro de Contabilidade. Goiânia, 2000.

RIBEIRO, Maísa de Souza. Contabilidade e Meio Ambiente. São Paulo, 1.992. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

RIBEIRO, Maísa de Souza. O Custeio por atividades aplicado ao tratamento contábil dos gastos de natureza ambiental. Caderno de Estudos. FIPECAFI. set. 1998. São Paulo. nº. 19, p.82-91.

RIBEIRO, Maísa de Souza. Contabilidade Ambiental. São Paulo: Ed. Saraiva, 2006.

SANTOS, Adalto de Oliveira; SILVA, Fernando Benedito; SOUZA, Synval. Contabilidade ambiental: um estudo sobre sua aplicabilidade em empresas Brasileiras. Revista contabilidade & finanças. vol.12 noº. 27. São Paulo Set/Dec. 2001.

RUAS, Wilimar. BENCHMARKING E INOVAÇÃO: a utilização do benchmarking como instrumento de estímulo à inovação na Diretoria de Operação Metropolitana da COPASA. Disponivel in:

http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOS-98BUV8/monografia_gei_2012___wilimar_ruas___benchmarking_e_inova__o.pdf?sequence=1, consulta realizada em 10 mar. 2019.

SCHARF, Regina. Conquista de mercado do produto verde. Gazeta Mercantil. São Paulo. 9 abr. 1999. p. A-8.

SPENDOLINI, Michael J. Benchmarking. São Paulo, SP, Ed. Makron Books, 1993.

TINOCO, João Eduardo Prudêncio. Ecologia, Meio Ambiente e Contabilidade. Revista Brasileira de Contabilidade. [s.l.] nº. 89. nov. 1994. p. 24-31.

TINOCO, João Eduardo Prudêncio; KRAEMER, Maria Elizabeth Pereira. Contabilidade e gestão ambiental. São Paulo: Atlas, 2004.

Publicado
2019-03-31
Sección
MISCELÁNEA