El avance del estado penal en Brasil como herencia del neoliberalismo norteamericano:

un análisis bajo la óptica de la criminología crítica (artículo en portugués)

  • André Fernandes Gavazza Faculdade de Direito de Vitória – FDV
  • Marcelo Fernando Quiroga Obregon Faculdade de Direito de Vitória – FDV
Palabras clave: Estado penal, neoliberalismo, criminología crítica.

Resumen

El presente artículo tiene como objetivo el análisis del avance de la represión penal en Brasil a partir de la importación de políticas penales norteamericanas desarrolladas en un momento de caída del Estado de bienestar social y avance del ideario neoliberal. El trabajo será guiado por la perspectiva de la criminología crítica acerca de la construcción de la figura del ‘crimen del criminal’. De esta forma, el estudio pasará por la idea de criminalización de los individuos y estratos sociales más vulnerables como forma de mantenimiento y reproducción de una nueva fase del sistema capitalista. Autores como Loic Wacquant, Alessandro Baratta y Michel Foucault fueron los principales hitos teóricos del presente estudio.

Biografía del autor/a

André Fernandes Gavazza, Faculdade de Direito de Vitória – FDV

Aluno da Graduação do Curso de Direito da Faculdade de Direito de Vitória – FDV.

Marcelo Fernando Quiroga Obregon, Faculdade de Direito de Vitória – FDV

Doutor em Direitos e Garantias Fundamentais na Faculdade de Direito de Vitória - FDV, Mestre em Direito Internacional e Comunitário pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Especialista em Política Internacional pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, Graduado em Direito pela Universidade Federal do Espírito Santo, Coordenador Acadêmico do curso de especialização em Direito Marítimo e Portuário da Faculdade de Direito de Vitória - FDV -, Professor de Direito Internacional e Direito Marítimo e Portuário nos cursos de graduação e pós-graduação da Faculdade de Direito de Vitória - FDV.

Citas

BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e crítica do direito penal - Introdução à sociologia do Direito Penal. 6. ed. Rio de Janeiro: Revan. 2011.

BATISTA, Vera Malaguti. A questão criminal no Brasil contemporâneo. Revista Margem Esquerda: ensaios marxistas. São Paulo, v. n. 8. p. 37-41, nov. 2006. p. 37.

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. B. Política Social: fundamentos e História. São Paulo: Cortez, 2007. p. 153.

BRASIL. Ministério da Justiça. LEVANTAMENTO NACIONAL DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS INFOPEN - JUNHO DE 2014. Brasília, 2014. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf >. Acesso em: 10 set. 2018.

FELETTI, Vanessa Maria. Vende-se segurança: a relação entre o controle penal da força de trabalho e a transformação do direito social à segurança em mercadoria. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2014.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993, p. 107.

GUIMARÃES, C. Funções da pena privativa de liberdade no sistema penal capitalista: do que se oculta(va) ao que se declara. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

MARTINEZ, E.; Oliveira. T. Políticas neoliberais na américa latina: uma análise comparativa dos casos no brasil e chile. Revista de Estudos Internacionais, v.7, n.1. 2016. Disponível em: < http://www.revistadeestudosinternacionais.com/uepb/index.php/rei/article/viewFile/190/pdf>. Acesso em: 10 de maio de 2017.

POCHMANN, Marcio. Velhos e novos problemas do mercado de trabalho no Brasil. Disponível em: <http://revistas.fee.tche.br/index.php/indicadores/article/ viewFile/1297/1665>. v. 26, n. 2, 1998. Acesso em: 25 de abril de 2017. p. 129.

WACQUANT, L. Punir os Pobres: A nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 2. ed. Col. Pensamento Criminológico. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2003.

WACQUANT, L. As prisões da Miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

WACQUANT, L. Três etapas para uma antropologia histórica do neoliberalismo realmente existente. Cad. CRH, Salvador , v. 25, n. 66, p. 505-518, Dec. 2012 disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010349792012000300008&lng=en&nrm=iso>.acesso em 05 de junho de 2017.

Publicado
2019-07-01
Sección
CRIMINOLOGÍA