La justicia restaurativa y la mediación como medio de resolución de conflictos

(artículo en portugués)

  • Ester Pimentel Gonçalves Universidade Iguaçu/Campus V.
  • Marlene Soares Freire Germano Universidade Iguaçu/Campus V.
Palabras clave: justicia restaurativa, resolución de conflictos, metodología jurídica, mediación.

Resumen

Este artículo tiene como objetivo analizar la nueva metodología legal aplicada en la ley brasileña, llamada Justicia Restaurativa. La característica principal de este modelo es una técnica para resolver conflictos y violencia que se guía por la creatividad y la sensibilidad basadas en escuchar a los delincuentes y las víctimas. El punto de partida del problema que se abordará serán los cambios en el binomio social-legal. Cambios que culminaron en la necesidad de buscar estrategias nuevas pero efectivas, no solo para la solución de conflictos, sino también para su desarrollo en la comunidad, sus consecuencias tanto para la víctima como para el autor/delincuente, a fin de evitar la recurrencia de actos ilícitos, así como crear conciencia sobre sus implicaciones, frenar el exceso de nuevas acciones y así reducir la lentitud del poder judicial. Entre los diferentes mecanismos para aplicar la Justicia Restaurativa, destaca la Mediación, una técnica que tiene como objetivo lograr una comprensión satisfactoria y rápida de una demanda, sin tener que sufrir el estrés financiero y emocional de Un proceso judicial. El estudio fue de naturaleza cualitativa.

Biografía del autor/a

Ester Pimentel Gonçalves, Universidade Iguaçu/Campus V.

Bacharel em Direito pela Universidade Iguaçu/Campus V.

Marlene Soares Freire Germano, Universidade Iguaçu/Campus V.

Mestre em Educação, Professora de Filosofia do Direito da Universidade Iguaçu/Campus V. Docente integrante do Grupo de Pesquisa Bioética e Dignidade Humana.

Citas

BECCARIA, Cessare. Dos Delitos e das Penas. 2. ed. São Paulo: Editora Hunter, 2012.

BRANDÃO, Delano Câncio. Justiça Restaurativa no Brasil: Conceito, críticas e vantagens de um modelo alternativo de resolução de conflitos. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 77, jun 2010. Disponível em: <http://www.ambito juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=7946>. Acesso em jun 2019.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm>.

CARAVELLAS, EMCTM. Justiça restaurativa. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social, 2009. Disponível em http://books.scielo.org/id/ff2x7/pdf/livianu-9788579820137-11.pdf -acesso em 31/03/2019 civil;V.1)

CORREA, Mayara de Oliveira Ayres. Justiça restaurativa e sua possível aplicação no Brasil, 2015. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/37963/justica-restaurativa-e-sua-possivel-aplicacao-no-brasil. Acesso em maio de 2019.

CUNHA, Anne Clarissa Fernandes de Almeida. Os juizados especiais e o acesso à Justiça . In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 84, jan 2011. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8928>. Acesso em jun 2019.

DIDIER JR., Fred. Curso de Direito Processual Civil: Introdução ao Direito Processual Civil, parte geral e processo de conhecimento. 20. ed. Salvador. Editora JusPodium, 2018.

HUESO, Cauê Costa. Aplicabilidade da Justiça Restaurativa no Direito Penal Brasileiro. DISSERTAÇÃO (Mestrado em Direito Penal), PUC São Paulo, 2015.Disponívelem:https://tede.pucsp.br/bitstream/handle/6967/1/Caue%20Costa%20Hueso.pdf. Acesso em junho de 2019.

JUSTIÇA RESTAURATIVA (2005, BRASÍLIA – DF: Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD). Disponível em: https://www.pucsp.br/ecopolitica/downloads/biblioteca_direito/JustCA_restaurativa_PNUD_2005.pdf

MAIA, Diego Dall' Agnol. A ideia de uma justiça restaurativa. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XXI, n. 169, fev 2018. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=20065&revista_caderno=15>. Acesso em jun 2019.

MALCOM, Waters. Globalização. Oieras (PT): Editora Celta, 1999.Disponível em https://www.jstor.org/stable/41011409?seq=1#page_scan_tab_contents, acesso em 28 de abril de 2019.

MEZZALIRA, Ana Carolina. A justiça restaurativa e sua normatização no Brasil: a Resolução 225 do CNJ, 2018. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/65804/a-justica-restaurativa-e-sua-normatizacao-no-brasil-a-resolucao-225-do-cnj. Acesso em junho de 2019.

PALLAMOLLA, Raffaella. Justiça Restaurativa da Teoria a Pratica. 1.ed. São Paulo: IBCCRIM, 2009.

RESOLUÇÃO 2002/12 da ONU - PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA UTILIZAÇÃO DE PROGRAMAS DE JUSTIÇA RESTAURATIVA EM MATÉRIA CRIMINAL, 2002.

SALIBA, Marcelo Gonçalves. Justiça Restaurativa Como Perspectiva Para a Superação do Paradigma Punitivo. DISSERTAÇÃO (Mestrado Em Ciência Jurídica) - Faculdade Estadual de Direito do Norte Pioneiro, Jacarezinho-PR, 2007. Disponível em: https://uenp.edu.br/pos-direito-teses-dissertacoes-defendidas/direito-dissertacoes/1935-marcelo-goncalves-saliba/file, acesso em 15 de maio de 2019.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 23. ed. São Paulo: Malheiros, 2007

VASCONCELOS, Rayan. Justiça restaurativa: um novo paradigma. 2017. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/59792/justica-restaurativa-um-novo-paradigma. Acesso em maio de 2019.

VASCONCELOS, Rayan. Direito Civil: Parte Geral. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2016. Disponível em https://direitouninovest.files.wordpress.com/2016/04/direito-civil-vol-1-parte-geral-venosa-sc3adlvio-de-salvo-13ed-2013-1.pdf. Acesso em 31 de março de 2019.

VEZZULA, Carlos Juan. Mediação Teoria e Prática. 2. ed. Argentina: Editora Agora Comunicação, 2005.

ZEHR, Howard. Trocando as Lentes. (tradução de Tônia VanAcker). Palas Athena Editora, 2008. Disponivel em: http://www.amb.com.br/jr/docs/pdfestudo.pdf. Acesso em 29 de maio de 2019.

Publicado
2020-03-18
Cómo citar
Gonçalves, E., & Freire Germano, M. (2020). La justicia restaurativa y la mediación como medio de resolución de conflictos. Derecho Y Cambio Social, (60), 677-699. Recuperado a partir de https://lnx.derechoycambiosocial.com/ojs-3.1.1-4/index.php/derechoycambiosocial/article/view/345
Sección
VARIOS