La (in) eficacia de la labor de la policía militar a través de la Ronda Maria da Penha para abordar la violencia contra la mujer

(artículo en portugués)

  • Acácia Gardênia Santos Lelis Universidade Tiradentes (SE)
  • Fabíola Goes dos Santos Independiente
Palabras clave: Violencia de género, feminicidio, Sergipe, Lei Maria da Penha.

Resumen

Este documento tiene como objetivo analizar datos sobre violencia doméstica en Brasil y en Sergipe, a través de las experiencias de patrullaje específico como una forma de combatir esta forma de violencia. A partir del análisis de la experiencia pionera de la Patrulla Maria da Penha, en la ciudad de Porto Alegre, de Rio Grande do Sul, y del estudio de las experiencias implementadas por la Policía Militar de los Estados de Bahía y Maranhão, busca comprender las contribuciones de estas iniciativas en la lucha contra la violencia de género. El estudio explora los análisis críticos y prácticos de fuerzas policiales específicas en la protección de las víctimas de la violencia y se centra en los datos aún superficiales sobre la violencia contra las mujeres en Sergipe para justificar la necesidad de madurar el debate en torno a mejora y especialización de la actividad policial para satisfacer esta demanda específica.

Biografía del autor/a

Acácia Gardênia Santos Lelis, Universidade Tiradentes (SE)

Advogada, Doutoranda em Direito pela linha de pesquisa Direitos Fundamentais e Novos Direitos pela Sociedade Superior Estácio de Sá (RJ); Mestre em Direito pela PUC (PR), do Programa de Direito Econômico e Socioambiental; Especialista em Direito Processual pela Universidade Federal de Sergipe; Conselheira Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil (SE); Presidente da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente da OAB/SE; Presidente Estadual do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM/SE); Professora do Curso de Direito da Universidade Tiradentes (SE) e da Faculdade Pio Décimo e membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE).

Fabíola Goes dos Santos, Independiente

Graduada em Direito pela Faculdade Pio Décimo.

Citas

BERGESCH, Karen. Violência contra a mulher: uma perspectiva foucaultiana. À flor da pele: ensaios sobre gênero e corporeidade / Organizadores Marga J. Ströher; Wanda Deifelt; André S. Musskopf. Rio Grande do Sul: Sinodal;CEBI, 2004, p. 206.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado, 1998. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 28 dez. 2019.

BRASIL. Lei n. 11.340, de 07 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 28 dez. 2019.

CEACRIM. 10 maiores ocorrências criminais das delegacias da mulher do Estado 2017 a 2018 – até outubro de 2018.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. O Poder Judiciário na aplicação da lei Maria da Penha. CNJ. 2017. Disponível em < https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/conteudo/arquivo/2017/10/ba9a59b474f22bbdbf7cd4f7e3829aa6.pdf >. Acesso em 28 de dez. 2019.

COORDENADORIA DA MULHER. Relatório de Gestão 2017/2018. Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe - Disponível em:

http://www.tjse.jus.br/portaldamulher/arquivos/documentos/Bi%C3%AAnio%202017%20e%202018.pdf. Acesso em: 28 de dez. 2019

Documento da Ronda Maria da Penha publicado no site do TJBA http://www5.tjba.jus.br/portal/wp-content/uploads/2017/10/ronda-maria-da-penha.pdf

FADIGAS, Amanda Braga de Melo. Violência contra a mulher: a importância do exercício da cidadania no combate ao crime silencioso. Revista Ártemis. 2006. Disponível em:

<http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/artemis/article/view/2102/1860>. Acesso em: 28 de dez. 2019.

GERHARD, Nadia Rodrigues Silveira. Patrulha Maria da Penha. 1. ed. Porto Alegre: Age Editora, 2014.

GERHARD, Nadia Rodrigues Silveira. Patrulha Maria da Penha: Polícia comunitária e enfrentamento a violência de gênero. Relatório Lilás. Porto Alegre, Assembleia Legislativa, p. 86-91, 2013.

GERHARD, Nadia Rodrigues Silveira. Revista da Brigada Militar, Publicação comemorativa aos 175 anos da corporação, ano II, nº 03, novembro de 2012.

INSTITUTO MARIA DA PENHA. Relógios da Violência. Disponível em <https://www.relogiosdaviolencia.com.br/#>. Acesso em 28 de dez. 2019.

MELLO, Adriana Ramos de. Aspectos gerais da lei. Violência Doméstica e familiar contra a mulher. Comentários à Lei de Violência Doméstica e Familiar contra a mulher. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2007.

MORAES, Aparecida Fonseca; GOMES, Carla de Castro. O caleidoscópio da violência conjugal: instituições, atores e políticas públicas no Rio de Janeiro. In: MORAES, Aparecida Fonseca; SORJ, Bila (Org.). Gênero, violência e direitos na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Sete letras, 2009. p. 75-109.

OLIVEIRA, Andressa Porto de. A Eficácia Da Lei Maria Da Penha No Combate À Violência Doméstica Contra A Mulher. Unisc. Disponível em: https://repositorio.unisc.br/jspui/bitstream/11624/851/1/Andressa%20Porto%20de%20Oliveira.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial Sobre a Mulher. Pequim, 1995. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2014/02/declaracao_pequim.pdf. Acesso em 28 de dez. 2019.

Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/pacto-nacional-pelo-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres Acesso em 28 de dez de 2019.

POLÍCIA MILITAR DO MARANHÃO Relatório das atividades da patrulha maria da penha. CEL QOPM Maria AUGUSTA de Andrade Ribeiro- Comando de Segurança Comunitária – CSC, 28/12/2019.

Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/entenda-a-violencia/pdfs/politica-nacional-de-enfrentamento-a-violencia-contra-as-mulheres. Acesso em 28 de dez de 2019

PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Anotações preliminares à lei 11.340/06 e sua repercussão em face dos juizados especiais criminais. Disponível em: http://tmp.mpce.mp.br/nespeciais/promulher/artigos/ARTIGO%20FAVOR%C3%81VEL%20AUDI%C3%8ANCIA%20PRELIMINAR.pdf. Acesso em: 28 de dez. 2019.

PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Direitos fundamentais sociais: considerações acerca da legitimidade política e processual do Ministério Público e do sistema de justiça para sua tutela. Porto Alegre: Liv. do Advogado, 2006.

SENADO FEDERAL. Panorama da violência contra as mulheres no Brasil: indicadores nacionais e estaduais. N. 2. Senado Federal, Observatório da Mulher Contra a Violência. Brasília, 2018. Disponível em <http://www.senado.gov.br/institucional/datasenado/omv/indicadores/relatorios/BR-2018.pdf>. Acessado em: 28 de dez. 2019.

SPANIOL, Marlene Inês. Patrulhas Maria da Penha: Análise dos avanços e desafios dos dois anos de implantação desta política pública de prevenção à violência de gênero, nos Territórios da Paz, em Porto Alegre. Sistema Penal e Violência, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 30-48, jan.-jun. 2015.

SPANIOL, Marlene Inês; GROSSI, Patrícia Krieger. Análise da Implantação das Patrulhas Maria da Penha nos Territórios da Paz em Porto Alegre: avanços e desafios. Textos e Contextos, Porto Alegre, v. 13, n. 2, p. 398 - 413, jul./dez. 2014.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da violência 2015. Homicídio de mulheres no Brasil. Disponível em:

https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/mapaViolencia2015.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

Publicado
2020-03-18
Cómo citar
Santos Lelis, A., & Goes dos Santos, F. (2020). La (in) eficacia de la labor de la policía militar a través de la Ronda Maria da Penha para abordar la violencia contra la mujer. Derecho Y Cambio Social, (60), 655-676. Recuperado a partir de https://lnx.derechoycambiosocial.com/ojs-3.1.1-4/index.php/derechoycambiosocial/article/view/347
Sección
VARIOS